Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

14 de set de 2009

TRÍDUO DE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

A nossa paróquia está vivenciando o tríduo em homenagem a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, patrona da Capela do Monte do Galo. O tríduo iniciou-se hoje, com a celebração da Santa Missa, às 19 horas. Amanhã, também às 19 horas, será realizada a novena, e, na quarta-feira, no mesmo horário, teremos a procissão e missa de encerramento.

Muito venerado no oriente desde tempos imemoriais, o ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está entre as mais expressivas invocações a Maria, Mãe de Deus. O quadro original é uma pintura em estilo bizantino, sobre madeira, de 54 x 41,5cm, onde se entrelaçam a arte e a piedade, a elegância e a simplicidade.
A tradiçãoo popular narra que um comerciante teria roubado o quadro na ilha de Creta, no século XV, e o levado para Roma, de navio. Conta-se que, durante a viagem, uma forte tempestade colocou em perigo a vida dos passageiros e somente com a intervenção de Nossa Senhora eles conseguiram se salvar. Mais tarde, antes de morrer, o comerciante decidiu confiar o ícone a um amigo para que o levasse a uma igreja da cidade, a fim de devolvê-lo à veneração pública.
Então, o quadro foi entregue à igreja de São Mateus, onde permaneceu durante 300 anos. Com a invasão de Roma pelos franceses, em fins do século XVIII, a igreja foi destruída e os religiosos agostinianos que ali trabalhavam levaram o ícone para outro lugar, onde ficou guardado e esquecido. Em 19 de janeiro de 1866, o Papa Pio IX confiou o quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro aos missionários redentoristas, com a incumbência de torná-lo conhecido e amado em todo o mundo e de divulgar a devoção ao Perpétuo Socorro de Maria, cuja festa é celebrada no dia 27 de junho.
Depois de restaurado, o ícone foi devolvido à veneração pública e entronizado solenemente na igreja de Santo Afonso, construída sobre as ruínas da antiga igreja de São Mateus e de São João de Latrão. O quadro é o ícone da tradição bizantina mais venerado no mundo, graças ao trabalho dos redentoristas.
NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO, rogai por nós!
A Missa dos Romeiros, celebrada todos os domingos na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Monte do Galo, às 08h30min, é transmitida ao vivo pelas rádios AM de Parelhas - 1470 khz - e 93,9 FM de Carnaúba dos Dantas.

Assistam ao PROGRAMA NOVA MANHÃ, todos os sábados, a partir das 10 horas, pela rádio Rural AM de Parelhas, 1470khz.
A PALAVRA DE DEUS ao seu alcance!!!

JORNADA MATRIMONIAL

A Pastoral dos Noivos estará realizando no dia 27 de setembro a 1ª Jornada Matrimonial dese ano na nossa Paróquia. Os casais que pretendem contrair o Sacramento do Matrimônio até o mês de março de 2010, inclusive os que pretendem casar no casamento comunitário da paróquia, deverão fazer suas inscrições na Secretaria Paroquial ou com os casais do E.C.C.

Palavras do Bispo: O SONHO DO BRASIL

Recordamos no dia 07 de setembro a Independência do Brasil. É uma data bonita que nos enche de orgulho. Apesar de tudo, ser brasileiro é uma maravilha. Somos um país de extensão continental com um potencial estupendo. Não existe outro país igual.
Aqui temos todos os climas: das frentes frias que chegam pelo sul ao calor forte da linha do Equador, do ar seco do oeste até o quente úmido da floresta amazônica, das chuvas abundantes em muitas áreas às secas frequentes do semi-árido. Este clima tropical é uma riqueza fantástica. Já se dizia: “no Brasil, em se plantando, tudo dá”. E é verdade! O clima e a terra fazem uma pródiga e fecunda combinação. Isso sem falar na maior riqueza do Brasil que é o seu povo. Um povo mestiço, fruto da fusão de tantas raças e culturas que deram esta mestiçagem de tanta jinga, de sons e ritmos variados, de inteligente jeito de fazer acontecer e inventar a vida.
Além desta riqueza natural e humana, há também o movimento do brasileiro para o transcendente, para Deus. É o movimento da fé! Este é um país “abençoado por Deus e bonito por natureza”, como tão bem cantam os nossos artistas. A religiosidade do brasileiro está tão entranhada em cada pessoa como se estivesse no DNA. Está tão enraizada na alma deste povo, que as inúmeras expressões da sua fé se difundem por toda parte. Este povo constrói sua identidade no cimento da crença da existência do Grande e Onipotente Senhor, que todas as coisas fez e as presenteou aos homens, suas criaturas prediletas.
No entanto, há coisas que não combinam com o alegre espírito brasileiro. Por exemplo: a corrupção, a desonestidade, o caos de uma cultura baseada na lei do “salve-se quem puder”. Esta tendência triste e nefasta tem sua origem na concepção de que o individualismo é, por si mesmo, um valor em que ninguém pode tocar. Cada um faz o que quer e para isso se reivindica direitos individuais que sobrepõem os direitos coletivos. Como é conhecido de todos: “cada cabeça é um mundo”! Sendo assim o choque entre mundos que não se respeitam é inevitável. Está aqui a razão ou a explicação de tanta violência neste complexo momento da nossa história.
O Brasil é um país que aspira à paz e tem tudo para construí-la. Tem um povo generoso, trabalhador, hospitaleiro e alegre. Tem uma tradição cristã profundamente arraigada. Tem um potencial invejável: uma natureza pródiga e uma gente genial. Tem um futuro promissor. O que falta então para este país emergir como grande nação? Falta a capacidade de escolher a solidariedade como critério estruturante das forças vivas que podem derrotar o individualismo com todos os seus nefastos tentáculos. A matriz de uma nação integrada é a conjugação de forças, esforços, capacidades, carismas, potencialidades a fim de criar dentro de cada cidadão o entendimento de que somos seres interdependentes, comunitários, destinados à fraternidade. Pois foi assim que o Criador nos fez: irmãos.
Um país é uma família dos que vivem no mesmo chão, bebem a mesma água, respiram o mesmo ar, se aquecem sob o mesmo sol, lavam-se nas mesmas fontes, deitam-se sob a mesma noite estrelada e sonham com os mesmos ideais. Aqui no Brasil, todos são destinados a experimentar as mesmas alegrias. Não se conjugam com o espírito deste país a fome, a carência, a injustiça, a escravidão das drogas, o fechamento do capitalismo selvagem que só enxerga o lucro em detrimento das pessoas.
Este país sonha! Sonha com um novo tempo, onde reinam a dignidade, a paz, a justiça e o respeito às diferenças de raça, de cultura e de religião. Sonha com uma sociedade mais participativa que não aceita corruptores e corrompidos afundando as esperanças da maioria lutadora e honesta. Sonha com uma classe política que saiba excluir os que se sujam na lama da corrupção e do enriquecimento ilícito. Sonha com poderes independentes e autônomos a serviço da causa comum e da construção da cidadania. Sonha com uma educação que prepara crianças e jovens para construir um país soberano, criativo, dinâmico e amante da justiça e paz.
Este país sonha em ver todos os brasileiros felizes e integrados na sua construção. Brasil, tão grande! Nele não há lugar para exclusão social! Sua vocação é acolher e integrar a todos!

18 de setembro - DIA DO PERDÃO


Por que será que decidiram atribuir um dia do ano ao perdão? Não sei, mas vale a pena ler e refletir sobre este texto, retirado do livro “A Cura do Ressentimento”, de Pe. Léo. Boa leitura!

O SEGREDO É PERDOAR
Para que uma mágoa, ou qualquer outro problema, se transforme em ressentimento dentro de nosso coração, precisamos alimentá-la com o murmúrio. Todos nós nos decepcionamos quando algo inesperado nos acontece. Isso é normal. O problema é que depois ficamos revivendo o fato e remoendo-o dentro do coração. O primeiro grande segredo para a cura de nossos ressentimentos é treinar o coração para perdoar sempre. Não importa se a pessoa nos ofendeu porque quis ou por descuido. Não importa se a pessoa nos machucou consciente ou inconscientemente. Não importa nem mesmo se ela é amiga ou inimiga; o segredo é perdoar. Perdoar sempre! Perdoar tudo o que nos fizeram! E para perdoar é totalmente fundamental declarar o perdão, manifestá-lo explicitamente.
“Antes, sede uns como os outros bondosos e compassivos. Perdoai-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou, em Cristo” (Ef 4,32).
“Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é vínculo da perfeição” (Cl 3,13-14).
Para perdoar os outros devemos sempre nos lembrar de como Deus nos perdoou em Cristo. Devo perdoar quem me ofendeu, não porque eu seja bom ou a pessoa é boa. Devo perdoar não porque a pessoa mereça ser perdoada. Afinal de contas, se fomos tentar saber se a pessoa tem ou não tem culpa, se fez aquilo consciente ou inconscientemente, acabaremos por cair no murmúrio, até porque naquele momento nosso coração está ferido e machucado, e numa situação assim, ninguém consegue pensar corretamente. Logo, para evitar qualquer possibilidade de alimentar a mágoa, o segredo é perdoar imediatamente. E perdoar como o Senhor nos perdoa. Para isso é preciso revestir-se da caridade.
Caridade não é dar alguma coisa a alguém. Isso é filantropia. Caridade é dar-se inteiro a alguém que não merece! Foi isso que Jesus fez por mim e por você. Foi isso que o Senhor fez pela humanidade inteira. Ele se ofertou, inteiramente, a todos, inclusive àqueles que estavam sendo usados para crucificá-Lo: “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem” (Lc 23,34).
Somente pelo perdão vivido explicitamente é que nos tornamos, de fato, filhos e filhas de Deus. Enquanto não perdoamos, estamos vivendo como se fôssemos adotados pelo "encardido" [maligno]. Aliás, muitas vezes, nos comportamos assim. É preciso perdoar sempre e perdoar especialmente os que não merecem nosso perdão. Esse é o segredo que nos faz agir como filhos e filhas de Deus.

IRMÃ MARIA RITA - Agraciada por Deus

A vida é uma luta. Uma construção do amanhã a partir do hoje e com a ajuda do amigo: “Eu sou o Caminho, a Verdade, a Vida”. (Jo14-6).
Irmã Rita, que ao nascer recebeu o nome de Maria Rita de Oliveira é filha de Antônio de Oliveira Azevedo e de Francisca Carvalho de Azevedo (In memorian).
Quando ainda era menina seu comportamento não dava indícios de sua vocação, sempre foi uma criança esperta, não gostava de fazer as tarefas domésticas, o que mais gostava de fazer era amansar “burro bravo” e ajudar seu pai a pastorar o plantio de arroz. Em alguns momentos dizia que queria “ser freira”, na época respondíamos “você vai ser feira”, conta a irmã Marísia.
Adolescente, foi trabalhar numa loja, em Natal (Lira de Oliveira), na profissão de caixa, e foi nessa loja que conheceu Irmã Paula, cliente da loja. Conta “Tia Ritó” que essa freira era de São José de Mipibu, e que, conversa vai conversa vem, a freira contou que trabalhava num abrigo de idosos e que havia trazido uma criança deficiente visual para o Hospital das Clínicas, essa criança vinha de uma família muito pobre. “Nesse momento, senti uma alegria contagiante e na mesma hora me coloquei no lugar de Irmã Paula. Senti uma alegria interior e o chamado para me doar, sei que naquele instante perguntei a ela se eu podia ser freira, ela me respondeu que sim e foi logo me convidando para participar de um encontro vocacional”, diz Tia Ritó. Após esse contato com Irmã Paula, Tia Ritó conheceu as outras Irmãs que trabalhavam no Abrigo Juvino Barreto, e nesse dia Irmã Djanira a convidou para fazer uma visita aos idosos, assim que ela saísse da loja. Chegando ao abrigo confirmou-se mais uma vez o chamado de Deus. As freiras a convidaram para assistir à missa, a partir daí ela passou a frequentar mais a Igreja. Suas primas com quem morava na época começaram a desconfiar, a perceber que ela estava diferente, mas ela não falava nada, a primeira pessoa a quem ela confidenciou seu segredo foi a sua querida irmã Zéu.
VOCAÇÃO
“Se é verdade que somos chamados a levar, para longe e perto, o amor de Deus; se devemos, com ele, inflamar as nações; se temos a vocação de acender este fogo divino pelo mundo afora, quanto mais devo eu mesmo arder neste fogo divino”. (São Vicente de Paulo)
Ao nascer, Deus nos chama à vida, quando fomos batizados(as), Deus nos chamou para sermos cristãos. Graças ao bom exemplo e oração dos nossos pais e padrinhos, somos capazes de ouvir o chamado de Deus para doarmos e servi-lo na vocação a qual somos chamados.
Em nossa vida há um plano maravilhoso a ser realizado, o plano que está na mente do Pai desde o princípio. À medida que nos tornamos adultos, o mundo vai cobrando mais responsabilidade de nós. Neste momento, passamos a discernir em relação ao que queremos ser. Os sonhos de criança encontram possibilidades de virem a ser realidade. O que queremos mesmo é responder a nossa vocação.Uma abertura à ação do Espírito Santo facilita muito quando nos disponibilizamos diante de Deus, respondendo: “Eis-me aqui Senhor!” (1SM 3,4). A alegria do contato com Ele impulsiona o nosso íntimo. Por causa desse prazer, passamos a querer, cada vez mais, dar uma resposta autêntica ao seu chamado. “SIM” a voz que não para de chamar-nos: “Vem e segue-me”.

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA: venha fazer parte desta família...


A Renovação Carismática de nosso município, além de desenvolver o grupo de oração fechado (outrora chamado de Crescimento) e de realizar todos os sábados, às 19 horas, na matriz de São José, o grupo de oração aberto à toda a comunidade, está agora com um novo projeto de evangelização, o qual já está pondo em prática, denominado “Evangelização Porta a Porta”, onde servos ativos do grupo visitam casas (famílias), realizando momentos de louvor, oração e partilhas, tendo como apse a “Oração do Lucernário”, momento em que Jesus, que é a Luz, invade a residência que nos acolhe.
Se você deseja um forte momento de oração para sua família e vizinhos, é só procurar algum membro da Renovação Carismática Católica de nossa cidade par agendar.
Permita-se viver grandes experiências com Deus, participando dos nossos grupos de oração. Esperamos ansiosos por você, pois és muito precioso par nós e para Cristo mais ainda.

CARNAÚBA DOS DANTAS E O MONTE DO GALO



Retomando a matéria sobre o Monte do Galo, e para que o leitor possa se situar melhor no tempo e no espaço histórico, vimos que até o dia 25 de outubro de 1953 houve muitos administradores, cada um com o seu modo de trabalho, e todos reconhecidamente operosos nos seus misteres.
Assim, no dia da Festa de Nossa Senhora das Vitórias, 25 de outubro de 1953, Antônio de Felinto passou a administrar o Monte do Galo, tempo em que muito pouca coisa existia de benfeitorias ali edificadas, e muito pouco recurso, aliás, no ato de sua posse, sem nenhuma solenidade, foi-lhe entregue a chave do cofre com o dinheiro que existia... uma moeda de um cruzado. Isto mesmo, um cruzado.
No dia seguinte iniciou os trabalhos de desmatamento no sopé do morro e concomitantemente a construção das escadas na rocha dando acesso ao Cruzeiro, porquanto àquele tempo só se chegava ali agarrado às pedras, e somente os homens tinham condições de conseguir tal façanha.
Entre os anos de 1953 e 1960 foram construídas as Estações da Via Sacra, a Casa dos Romeiros, a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, obras de acesso no sopé do morro e tendo doado o terreno, a construção da Capela de Nossa Senhora das Vitórias.
Neste espaço de tempo, o Sr. Antônio de Felinto vivenciou muitos testemunhos de pessoas vindas de perto e de longe, com o fim de render graças a Nossa Senhora, contar seus apelos e suas graças alcançadas, de forma verbal e escrita, manifestações essas que nunca eram tornadas públicas por recomendações dos párocos da Freguesia de então, de não se comentar o que ouvia e caso as declarações feitas por escrito eram guardadas durante certo tempo e depois incineradas...Quantos segredos e histórias importantes foram jogados fora e que hoje se tornaria matéria espiritual valiosa....., por exemplo:
Num dia em que se encontrava trabalhando no topo do Monte do Galo chegou um casal trazendo consigo uma criança, entregando-lhe um envelope e dentro do envelope uma agulha, (conhecida como “agulha de mão”, que servia para bordados e outros afazeres de casa), de regular tamanho. Não há registro do lugar de onde vieram nem existe mais lembrança dos nomes, somente do testemunho dado pelo casal ao entregar o envelope: Que viajaram em transporte próprio durante dois dias até chegar ao Monte do Galo, que nem sabiam onde era Carnaúba dos Dantas, mas tinham ouvido falar que aqui havia uma Santa que “obrava milagres” – esta a expressão. E disseram que num dia, pela manhã na fazenda que lhes pertencia aquela criança houvera engolido a tal agulha que tinha se atravessado na garganta. Já estava semidesfalecida, quando a mãe lembrando-se da Santa Milagrosa que ouvira falar rogou-lhe pela vida da filha, e neste momento a menina tossiu e a agulha apareceu na boca.
Noutra oportunidade, um senhor de nome Antônio Silvano, de família de Parelhas, em visita ao Monte do Galo descuidou-se da vigilância ao filho quando este se despencou no abismo, no mesmo local onde depois suicidou-se Maria de Teodora e, pelo grito da mãe valendo-se de Nossa Senhora a criança sumindo no precipício caiu numa touceira de macambira, saindo dali ileso, apenas depois de muito trabalho e coragem de um dos componentes da família que resgatou o menino através de uma corda muito comprida amarrada na cintura.
Estes fatos me foram narrados pelo senhor Antônio de Felinto, os quais, mesmo não existindo dados comprobatórios, (o que é uma pena), as palavras do narrador merecem nosso crédito.
Fonte de pesquisa: Entrevista com o próprio Antonio de Felinto
Carnaúba dos Dantas, 31 de agosto de 2009.
HILÁRIO FÉLIX DANTAS

A História da Igreja Católica no Povoado Ermo


A religiosidade predominava nas famílias que residiam no Ermo e imediações! A comunidade sentia necessidade de um lugar onde todos pudessem se reunir para fazer suas orações. Por isso, o grande desejo de construir uma igreja se tornava cada vez maior. Depois de muita conversa entre amigos e familiares, no ano de 1933 foi realizada a solenidade da benção da pedra fundamental da igreja, com uma missa celebrada pelo Pe. Omar Bezerra Cascudo, na residência de Francisco Adelino (Chico Barulhão), o idealizador. Em junho do ano de 1936 foram iniciados os trabalhos de construção da capela, em terreno doado por “Chico Barulhão” ao Patrimônio de São Francisco. Além da importância arrecadada entre as pessoas da comunidade, de grande valia foi o trabalho voluntário de todos na construção do templo. No dia 11 de fevereiro de 1937, a igreja estava pronta e o Pe. Ambrósio, vigário de Carnaúba na época, celebrou a missa de inauguração e deu a bênção. Nesse dia, muitos casais levaram seus filhos para receberem o Sacramento do Batismo, entre eles o casal Olegário e Maria, que batizaram sua filha Margarida. No dia 17 de setembro daquele mesmo ano foi celebrada a primeira festa de São Francisco de Assis, do Povoado Ermo. E foi uma bonita festa, com banda de música e muitos festejos, demonstrando a alegria de todos. A escolha do padroeiro foi ideia de “Chico Barulhão”, pois já havia alcançado muitas graças pela intercessão do Santo. Como tudo era muito difícil naquela época, apenas três missas eram celebradas durante o ano: no mês de março (dedicado a São José), na festa do padroeiro São Francisco e no Natal. No ano de 1950, durante a festa do Padroeiro, foi fundado o Apostolado da Oração da comunidade.
No decorrer dos anos, obras de ampliação e reforma foram feitas na igreja até chegar ao que ela é hoje. Muito a Igreja Católica presente no Povoado Ermo tem a agradecer a todos aqueles que, de uma forma ou de outra, contribuíram ou contribuem para o crescimento da comunidade e para o engrandecimento da fé desse povo. Rogamos a Deus por todos, e pedimos a luz do Espírito Santo, para que cada um viva com fidelidade a sua vocação!

(Dados fornecidos por Maria de Lourdes Adelino)

FESTA DE SÃO FRANCISCO








No período de 21 a 30 de agosto, o Povoado Ermo vivenciou mais uma festa de seu padroeiro São Francisco. A festa iniciou com uma caminhada desde a entrada do Povoado até a capela, onde houve o hasteamento do estandarte, palavras de abertura e a celebração da Santa Missa.
Na parte social houve uma linda apresentação da banda de música Francisco Ermindo, formada por alunos da Escola Municipal Francisco Macedo, que encantou a todos os presentes. No dia 23 de agosto (sábado), foi realizada uma grande quermesse em prol da festa, animada pela Banda Cavaleiros de Cristo.
No decorrer da semana aconteceram as novenas e missas com uma grande participação dos fiéis. No dia 28 (sexta-feira), pela manhã, foi celebrada a missa dos enfermos, com grande número de idosos. À noite, os jovens mostraram a sua importância, organizando um animado arrastão pelas ruas do povoado, já que era a noite dos mesmos.
A festa teve seu encerramento no domingo dia 30 de agosto, tendo como destaque a presença do nosso Bispo Diocesano Dom Delson, que veio abrilhantar ainda mais a nossa festa. Às 15 horas foram realizados os batizados; às 16 horas, a procissão com a imagem de São Francisco e em seguida a Missa Solene, presidida pelo Bispo que também fez o arreamento do estandarte. No final, foram proferidas as palavras de agradecimento pelo nosso Pároco, Pe. João Paulo. Além da presença do nosso Bispo, a comunidade se alegrou com a presença de alguns padres da nossa região seridoense e das irmãs Josefinas.

RETIRO DAS FAMÍLIAS





A Semana da Família teve seu ponto culminante no dia 16 de agosto de 2009, onde 200 famílias foram evangelizadas ao mesmo tempo, no nosso 1º Retiro das Famílias para a comunidade católica de Carnaúba dos Dantas!
Damos graças a Deus por nos ter permitido viver este momento tão especial. Ao nosso querido pároco Pe. João Paulo, parabéns pela coragem de realizar momentos grandiosos como este.
Os casais do ECC, os Ministros da Eucaristia e os paroquianos que atuam nas diversas pastorais da nossa Igreja estiveram à frente dos trabalhos e da organização do evento para que tudo fosse perfeito aos olhos de Deus e de quem participou. Os jovens da nossa comunidade ficaram responsáveis pelas crianças, cuidando das mesmas com muito carinho para que seus pais pudessem aproveitar este dia com tranqüilidade. Os CASAIS DA COMUNIDADE ALIANÇA DE CASAIS COM CRISTO DE CURRAIS NOVOS ministraram o encontro levando a todos a palavra de Deus em suas pregações e também mostrando em seus testemunhos de vida que é possível ter uma vida muito melhor e agradável aos olhos do Pai quando se coloca Deus acima de tudo.
O retiro teve início às 08h50min, com louvor de abertura feito pela Banda Cavaleiros de Cristo, com a sonoplastia do som Paradise. Logo após, os casais da ACC de Currais Novos, passaram a conduzir o referido retiro realizando pregações, testemunhos, adoração ao Santíssimo Sacramento e durante todo o dia louvores em honra a Deus. Todas as famílias fizeram refeição no local, terminando o evento ás 17 horas.Um dos momentos mais emocionantes foi o passeio com o Santíssimo, realizado pelo nosso Pe. João Paulo, momento em que muitas pessoas dobraram-se diante do Senhor. Naquele instante, com certeza Ele tocou em muitos corações, pois Deus é maior em tudo que nos acontece, Ele é o supremo Rei e consegue sarar as feridas mais profundas da nossa alma. Dali saiu muitas famílias restauradas e devemos dar glória a Deus por isso.

SEMANA DA FAMÍLIA


No dia 09 de agosto, o E.C.C., com a ajuda das demais pastorais da nossa paróquia, iniciou a Semana Nacional da Família. Com um sentimento muito forte de evangelizar, os casais do E.C.C. puderam levar a cada casa visitada o amor e a alegria de estar com Deus. Com todas as celebrações realizadas, ficou transparente e visível a ação de Cristo na vida de cada cristão que participou, pois a cada novena se observava que aumentava o número de fiéis que buscavam ouvir a Palavra e ter um momento de louvor e agradecimento a tudo aquilo que Deus faz em nossas vidas.
Sedentos de evangelizar, os casais ampliaram o movimento para vários setores, que incluíram o povoado Ermo, as comunidades da Rajada e Ramada, os bairros Santa Rita, São José e D. José Adelino, o Conjunto Seu Anísio e as ruas do centro da cidade. Todos sentiram a presença do Deus vivo a cada novena. No total, foram duas semanas de evangelização, devido à necessidade de oração e em atenção aos pedidos das famílias.
Damos Graças e Louvores a Deus por todos os pregadores que se deixaram ser usados pelo Espírito Santo, para que sua voz fosse ouvida e conseguisse assim atrair mais seguidores a Deus através das reflexões dos Evangelhos que foram feitas nas celebrações.
É a partir de um movimento como esse que se descobre o Dom e o potencial de cada leigo. Todas as reuniões foram dirigidas e coordenadas pelos paroquianos que são engajados nas pastorais da nossa Igreja, com a ajuda da comunidade.
Bênçãos foram derramadas todos os dias sobre a nossa cidade, portanto não poderíamos deixar que Graças como essas passassem despercebidas, mas devemos sim, enaltecer e tentar a cada dia nos unirmos a movimentos como esse para que o amor de Deus chegue com mais força àquelas famílias que se sentem esquecidas e sem forças para buscá-Lo.
A Semana da Família teve seu ponto culminante no dia 16, com o Retiro de Casais, envolvendo toda a família, já que foi organizada uma comissão para cuidar das crianças, que puderam participar do retiro de uma maneira alegre e extrovertida.
Com a Fé fortalecida e com os olhos fixos em Deus, as famílias tiveram uma semana mais que abençoada, e os Casais do E.C.C. esperam ver os frutos dessa obra, confiantes em todas as maravilhas que se realizaram durante este tempo.

A Igreja celebra em 29 de setembro a festa litúrgica dos Santos Arcanjos: Miguel (Quem como Deus!), Gabriel (Força de Deus) e Rafael (Cura de Deus).O Catecismo da Igreja afirma sem hesitação a existência dos anjos: “A existência dos seres espirituais, não-corporais, que a Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição” (§ 328).
O Catecismo lembra que “Cristo é o centro do mundo angélico” (§ 331). Eles pertencem a Cristo, porque são criados por Ele e para Ele, como disse São Paulo: “Pois foi Nele que foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis: Tronos, Dominações, Principados, Potestades, tudo foi criado por Ele e para Ele” (Cl 1, 16). Portanto, não há como negar a existência dos anjos, sem bater de frente com o ensinamento da Igreja, em toda a sua existência.
O primeiro Concílio Ecumênico que confirmou a existência dos seres espirituais foi o de Nicéia, em 325, quando fala no Decreto (DS 54), em “coisas invisíveis”: “Creio em um só Deus, Pai Todo Poderoso, Criador do Céu e da Terra, e de todas as coisas visíveis e invisíveis”. Essa verdade foi reafirmada em vários concílios. O Concilio Vaticano II (1962-1965), na Constituição Dogmátca Lumen Gentium, fala claramente dos anjos: “Portanto, até que o Senhor venha com toda sua Majes­tade, e todos os Anjos com Ele (cf. Mt. 25, 31)”…(LG, 49).
Diante de uma certa tendência de negar que os anjos são seres pessoais, mas apenas “instintos” ou “forças neutras”, como se fossem apenas uma tendência para o bem ou para o mal, o Papa Pio XII na sua encíclica Humani Generis (1959), reafirmou que os anjos são “criaturas pessoais”, dotadas de inteligência sagaz e vontade livre (DS 3891 [2317]). São Gregório Magno dizia que cada página da Revelação escrita atesta a existência dos Anjos. A presença e a ação dos anjos bons e maus estão a tal ponto inseridas na história da salvação, na Sagrada Escritura e na Tradição da Igreja, que não podemos negar a sua existência e ação, sem destruir a Revelação de Deus. O fato de muitas vezes os anjos terem sido apresentados de maneira fantasiosa ou infantil, não nos autoriza a negar a sua existência. Por serem seres espirituais, os anjos bons e maus não podem ter a sua existência provada experimental e racionalmente; no entanto, a Revelação atesta a sua realidade. Eles são mencionados mais de 300 vezes na Bíblia.

(Texto extraído do livro OS ANJOS, do Prof. Felipe Aquino)

PALAVRAS DO PADRE

Graça e Paz!
Neste ano, o livro escolhido pela CNBB para estudo no mês da Bíblia é a Carta aos Filipenses. A comunidade de Filipos foi a primeira cidade européia a receber a mensagem cristã. Como colônia do império romano, a cidade tinha alguns privilégios proporcionados pelo poder imperial, mas também abrigava as mazelas promovidas por ele, como a forte desigualdade social: apenas pequena parcela da população contava com condições dignas de vida enquanto a maioria vivia como escrava, trabalhando como máquina,
A comunidade cristã de Filipos era cordial e generosa, muito estimada por Paulo, mas também era afetada pelos conflitos do ambiente que a circundava. Era formada por gente com cidadania romana e pessoas das classes populares. Na carta, Paulo exorta a comunidade a viver a gratuidade e evitar o espírito de competição. Nesse contexto, apresenta o hino que está em 2,1-11, uma das melhores sínteses da encarnação e da glorificação do Filho de Deus: Cristo, tendo a condição divina, renuncia a ela humildemente, tomando a forma de escravo, e por isso Deus o exaltou. Trata-se de forte interpelação à conversão em favor dos marginalizados e discriminados.
Pelo gesto de Cristo, somos também convidados a nos encarnar na vida dos sofredores. Diante da realidade do mundo, em que 900 milhões de pessoas passam fome, não convém que a práxis cristã acentue apenas as questões menos urgentes, como a manutenção de formas e esquemas antigos ou até ultrapassados ou algumas questões polêmicas de moral sexual. A missão da Igreja é muito maior, embora englobe também esses assuntos. Seguir Cristo não significa limitar-se a tentar evitar que as pessoas cometam pecados pessoais, mas, sobretudo, promover um mundo humano, solidário e menos desigual. Esperamos que o continente europeu – em que o evangelho entrou pela comunidade de Filipos -, tão seduzido pelo materialismo, pelo niilismo e pelo elevado nível de bem-estar social, assim como todos os países ricos, possam se deixar interpelar novamente pela mensagem de justiça que brota da Sagrada Escritura. Mas todos e cada um de nós e toda a Igreja somos também chamados a nos converter.
O Brasil se assemelha a Filipos na desigualdade social. Darcy Ribeiro, em seu livro O Povo Brasileiro, síntese de décadas de estudo, disse que o país ainda não deu o salto de qualidade que tanto esperamos em razão de sua profunda desigualdade social. Um dos fatores de manutenção dessa desigualdade são os meios de comunicação apropriados pelas classes dominantes para promover e defender sua ideologia e suas posições políticas, sem que haja controle público sobre tal procedimento.
Neste mês de setembro comemoramos a Independência do Brasil. Politicamente somos independemos. Resta-nos, porém, a independência de nós mesmos, de nossos instintos egoístas, de nosso comodismo e indiferença diante de tanta corrupção e injustiça social.
Não nos esqueçamos de que somos cristãos e temos obrigação de lutar por um Brasil melhor, mais justo e solidário. E Carnaúba dos Dantas é o Brasil para nós. Nós somos aqui nessa cidade construtores da paz? Defendemos a justiça? Lutamos para que todos tenham seus direitos preservados? Pensamos no bem de todos ou somente nos nossos próprios interesses? Estamos preocupados com os mais necessitados?
Os católicos e os evangélicos em Carnaúba dos Dantas são quase a totalidade da população. Quase não há ateus na nossa cidade. Então por que tantas intrigas, ódio e divisões? Onde estará o problema? Será que estamos sendo cristãos de verdade? O mandamento de Cristo é amar a Deus acima de tudo e amar o próximo como a si mesmo. Lembremo-nos sempre das palavras do nosso Mestre, sobretudo nesses dias em que nossa cidade vive um momento muito delicado
.
JORNAL KYRIE, SET/09