Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

27 de nov de 2009

Semana Missionária Jovem Diocesana

Nesse clima de missão que está acontecendo na Diocese de Caicó, em continuidade, estamos vivenciando a SEMANA MISSIONÁRIA JOVEM DIOCESANA, que iniciou no último domingo (22/11) e encerrará próximo domingo (29/11).
Todas as paróquias da Diocese fizeram as suas programações da MISSÃO JOVEM, em preparação para o grande momento que estará acontecendo durante todo este final de semana. O desfecho final será a Celebração Eucarística no Ginásio de Esporte do Complexo da Ilha de Santana, o Nonozão, no domingo (29/11). Aí haverá uma reunião entre crianças, jovens e adultos, famílias, para a Concelebração dos 70 anos da Diocese de Caicó. Será um momento de Ação de Graças por tudo que Deus prodigamente vem realizando no meio do seu povo, no meio desta Diocese.
A nossa paróquia também enviou jovens missionários, os quais foram acolhidos em Caicó neste final de tarde. Eles ficarão hospedados em casas de famílias da Paróquia Nossa Senhora de Fátima daquela cidade.

"No mundo globalizado e tão fragmentado, o valor da pessoa deve ser preservado e para fortalecê-lo só há um caminho: o amor. Este se exprime no respeito, no diálogo e na luta por um mundo melhor, mais justo e mais fraterno. Este é o ensinamento fundamental de Jesus Cristo. Tal mensagem enche o coração dos jovens e os anima a propagá-lo por toda parte com a vida, com gestos e palavras. Isso é ser missionário. Jovem, você é missionário. Jesus conta com você e nós também." (D. Manoel Delson, Bispo da Diocese de Caicó)

Dia de Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa


Neste dia 27 de novembro, a Igreja celebra o Dia de Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa. Por isso, colocamos nesse artigo um resumo da história dessa bonita devoção.

Foi em 1830 que Nossa Senhora apareceu, em Paris, a Santa Catarina Labouré, então jovem religiosa, e lhe ensinou a devoção da Medalha Milagrosa.
“Fazei cunhar uma medalha com este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças, trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para as pessoas que a usarem com confiança” — prometeu a Santíssima Virgem.
A promessa efetivamente se cumpriu. Quando iam ser cunhadas as primeiras medalhas, uma terrível epidemia de cólera, proveniente da Europa oriental, atingia Paris.
O flagelo se manifestou a 26 de março de 1832 e se estendeu até meados do ano. A 1º de abril, faleceram 79 pessoas; no dia 2, 168; no dia seguinte, 216, e assim foram aumentando os óbitos, até atingirem 861 no dia 9. No total, faleceram 18.400 pessoas, oficialmente; na realidade, esse número foi maior, dado que as estatísticas oficiais e a imprensa diminuíram os números para evitar a intensificação do pânico popular.
No dia 30 de junho, foram entregues as primeiras 1500 medalhas que haviam sido encomendadas à Casa Vachette, e as religiosas Filhas da­ Caridade começaram a distribuí-las entre os flagelados. Na mesma hora refluiu a peste e começaram, em série, os prodígios que em poucos anos tornariam a Medalha Milagrosa mundialmente célebre.
O Arcebispo de Paris, que autorizara a cunhagem da Medalha e recebera logo algumas das primeiras, alcançou imediatamente uma graça extraordinária por meio delas, e passou a ser propagandista entusiasta e protetor da nova devoção. Também o Papa Gregório XVI recebeu um lote de medalhas, e passou a distribuí-las a pessoas que o visitavam.
Até 1836, mais de 15 milhões de medalhas tinham sido cunhadas e distribuídas, no mundo inteiro. Em 1842, essa cifra atingia a casa dos 100 milhões. Dos mais remotos países chegavam relatos de graças extraordinárias alcançadas por meio da medalha: curas, conversões, proteção contra perigos iminentes etc.

Mas, em janeiro de 1842, a conversão espetacular do judeu Afonso Ratisbonne — que apresenta notável analogia com a conversão do Apóstolo São Paulo na estrada de Damasco — chamaria ainda mais as atenções sobre a Medalha Milagrosa. Ratisbonne, jovem banqueiro de Estrasburgo, cheio de preconceitos e antipatias contra a Igreja Católica, estava viajando por Roma quando aceitou, meio a contragosto, uma Medalha Milagrosa que lhe ofereceu um nobre francês. Poucos dias depois, inesperada e milagrosamente, a Virgem lhe apareceu na Igreja de Sant’Andrea delle Fratte, e em poucos segundos o antigo inimigo da Igreja transformou-se no apóstolo ardoroso que viria a fundar, juntamente com seu irmão Padre Teodoro Ratisbonne, a Congregação dos Missionários de Nossa Senhora de Sion, dedicada à conversão dos judeus.
Em 1876, ano da morte de Santa Catarina Labouré, mais de um bilhão de Medalhas Milagrosas já espalhavam graças pelo mundo.
Em 1894, a Santa Igreja instituiu a festa litúrgica de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, a ser celebrada no dia 27 de novembro.
Em 1980, quando se comemoravam 150 anos da revelação da Medalha Milagrosa, o próprio João Paulo II, compareceu como peregrino ao local das aparições.

PRECE À NOSSA SENHORA DA MEDALHA MILAGROSA
Imaculada Virgem Mãe de Deus e Nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vo-las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão,inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a minha indignidade por causa de inúmeras culpas, acerco de vossos pés para vos expor, durante esta oração, minhas mais prementes necessidades (pedir a graça desejada). Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiante vos solicito, para maior Glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de minha alma. E para melhor servir ao vosso Divino Filho, inspirai-me profundo ódio ao pecado e dai-me coragem de me afirmar sempre como verdadeiro cristão. Amém
Reze 3 Ave Marias e depois: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

REFLEXÃO DO DIA - Sexta-Feira 27/11

E Jesus contou uma parábola: "Olhem a figueira e todas as árvores. Vendo que elas estão dando brotos, vocês logo sabem que o verão está perto. Vocês também, quando virem acontecer essas coisas, fiquem sabendo que o Reino de Deus está perto. Eu garanto a vocês: tudo isso vai acontecer, antes que passe esta geração. O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras não desaparecerão." (Lc 21, 29-33)
Devemos ser capazes de reconhecer os sinais dos tempos para que possamos perceber os apelos do Reino de Deus na nossa vida, assim como sermos capazes de descobrir a presença de Jesus na história das pessoas. Somente quando somos capazes de analisar os acontecimentos a partir da ótica da fé é que somos capazes de interpretar os fatos como sendo sinal dos tempos e ação da graça divina no nosso dia a dia. Para que isso seja possível, a Palavra de Jesus deve ser o critério fundamental para a interpretação dos acontecimentos.
Fonte: CNBB