Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

27 de jun de 2010

Vem ai o I Mutirão Estadual de Comunicação


Irmãos e irmãs, a mensagem do Papa Bento XVI para o 44º Dia Mundial das Comunicações Sociais celebrado no dia 16 de maio de 2010, dia da Ascensão do Senhor, trata da evangelização no mundo digital, mensagem que a Folha publicou e incentivou às Paróquias a fazerem uma reflexão sobre o tema. O tema deste ano, no contexto do Ano Sacerdotal, que teve seu encerramento no último dia 11 de junho, foi: “O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos media a serviço da Palavra”. Esta mensagem mostra intensamente a solicitude papal de pastor empenhado em prol da difusão da mensagem do Evangelho. O apelo que faz aos sacerdotes de toda a Igreja revela como o seu coração arde de amor pela causa da difusão da Boa Nova de Jesus Cristo. Ele tem profunda consciência de que o encontro do homem de hoje com Jesus é, como sempre foi, um evento de primeira importância.
Bento XVI pede aos sacerdotes que lancem mão dos meios modernos de comunicação. Principalmente daqueles que nos últimos anos conheceram uma larga difusão, como a internet, a fim de que a mensagem de Jesus Cristo possa difundir-se de modo eficaz no mundo contemporâneo.
Somos convidados à reflexão diante desta mensagem, e principalmente a colocá-la em prática em nossas paróquias. Constatamos que a Pastoral da Comunicação é de suma importância em nossas comunidades, para que formando uma pastoral de conjunto, seus membros possam com entusiasmo, compromisso e perseverança, difundir o Evangelho.
Muitas pessoas de nossa diocese já participaram do Mutirão Regional, que acontece de dois em dois anos, como também, a diocese de Caicó, já realizou o seu I Mutirão Diocesano de Comunicação e o I Workshop sobre Mídia, já no primeiro semestre deste ano. Mas, mesmo assim, com tanta formação, ainda temos paróquias que não tem sua equipe da Pascom formada.
Por outro lado, muitas paróquias tem endereço eletrônico, blog, site, Orkut, Msn, e isso tem facilitado a comunicação ente essas paróquias e o Setor de Comunicação da Diocese. Com isso as notícias das paróquias estão chegando e sendo publicadas na FOLHA semanalmente.
Sabemos que a Pastoral da Comunicação, não se resume no site, no blog, no Jornal, não. É necessário uma maior organização, pois a missão da Pascom é formar uma Pastoral de Conjunto, pois ela é a pastoral do ser/estar em comunhão/comunidade, por isso necessitamos, efetivamente, de uma Pastoral da Comunicação em todas as nossas comunidades. Para que isso aconteça, é preciso perseverança, compromisso e muito amor pelo Reino de Deus. E é necessário, também, o incentivo dos párocos em suas comunidades para que seja organizada a Pastoral da Comunicação. Para isso eles precisam enviar para os encontros pessoas que se identifiquem com esse trabalho de evangelização.
Pois bem, em agosto, nos dias 21 e 22, teremos o II Workshop de Comunicação, com o tema Documentário, e no final de semana seguinte, 28 e 29 de agosto, as coordenações da Pastoral da Comunicação na Arquidiocese de Natal e nas Dioceses de Caicó e de Mossoró promovem o primeiro Mutirão Estadual de Comunicação, a ser realizado no Colégio Nossa Senhora das Neves, em Natal/RN.
O tema em debate será: "A comunicação a serviço da Palavra", fazendo alusão ao tema escolhido pelo Papa Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais deste ano: "O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos meios de comunicação a serviço da Palavra". O tema do Mutirão será debatido através de palestra, oficinas, painel e outras atividades.
Para o 1º Mutirão Estadual de Comunicação são convidados agentes da Pastoral da Comunicação e de outras pastorais, sacerdotes, diáconos, seminaristas, religiosos/as, profissionais e estudantes e profissionais de Comunicação Social.
Se sua paróquia não tem uma Equipe da Pascom, esse é mais um motivo para que ela esteja representada nesses encontros.
Em breve, a Pascom Diocesana irá realizar uma reunião com representantes de todas as paróquias, que tenha ou não pascom, com o objetivo de formar e animar essas comunidades a formarem suas equipes, nos preparando para participarmos desses eventos que serão de muita importância para nossa caminhada.

Espiritualidade conciliadora

Apaziguar é um dom que vem do céu. Do Concílio Ecumênico Vaticano II a maioria já ouviu falar. Nem todos, porém, entendem que se trata do ato de pessoas sentarem juntas para decidirem juntas. Isto quer dizer conciliar. Há, pois, uma atitude e até mesmo uma espiritualidade conciliar que vive as propostas de algum concílio. E há também a espiritualidade conciliadora que é virtude dos que, ou se aproximam dos outros, ou vivem de aproximar as pessoas, para que resolvam seus problemas e façam as pazes.
Os pacificadores, os que vivem a serviço do diálogo, os que fazem de tudo para achar valores nos outros e descobrir as razões de cada pessoa, os que tentam relevar, perdoar, usar de misericórdia e, no ato de aplicar a justiça esmeram-se na moderação, todos eles vivem uma espiritualidade conciliadora. São mediadores, aproximadores, suavizadores, apaziguadores. Nem por isso deixam de tomar suas posições firmes, se o caso exigir tal atitude.

Uma senhora serena e forte, mãe de seis filhos fez exatamente isso. Tentadas todas as outras possibilidades para levar um filho rebelde e cruel que se alegrava em ferir os irmãos, recorreu ao silêncio. Calou-se diante dele. Não tinha mais palavras. Quando ele chegava, limitava-se a olhá-lo, tocar-lhe no rosto e depois ia cuidar de seus afazeres. Era diferente o tom com que falava a este filho. Tinha deixado claro que um dia tomaria aquela atitude, caso ele prosseguisse na sua brutalidade diante dos irmãos. Foram meses até que ele, um dia, veio sozinho até ela e pediu uma chance. Ele tinha melhorado. Ela o fez prometer que nunca mais feriria os seus irmãos com aquelas palavras e atitudes cruéis. Assim aconteceu.

Às vezes a espiritualidade conciliadora propõe atitudes de justiça e de severidade, sem ódio e sem crueldade. Mas a pessoa que abusa do espírito conciliador acaba sabendo por que a outra silenciou. Não é permissividade, nem fraqueza, nem um "tudo bem, tudo legal". É um aproximar-se de quem educa. Trato bem, mas não cedo. Nisso, não! Daqui você não passa!
Que os pais a busquem. Façam como os semáforos que permitem, alertam e proíbem! Agora, passa este, agora o outro e agora você! Administrar conflitos é dom de Deus. Caso não consiga, corra para um mosteiro, um santuário, um lugar de preces e ore ou peça orações e entregue a Deus a pessoa ou as pessoas em conflito. Há casos que só Deus consegue suavizar.

www.padrezezinhoscj.com

UM MESTRE QUE FORMA DISCÍPULOS

“Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então, ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém e enviou mensageiros à sua frente”
Diante dos olhos de Jesus está a cidade de Jerusalém e tudo aquilo que lá aconteceria com ele: a cidade dourada, a capital da fé, o lugar do templo, a cidade que mata os profetas, o espaço onde ele, Jesus, colocaria o mais nobre de todos os gestos, ou seja de dar a vida pelos seus.
A caminho, Jesus vai dando aulas de formação aos seus discípulos. Nem sempre estes foram capazes de acompanhar as conversas do Mestre.
Um impetuoso se joga diante de Jesus e diz vai segui-lo por onde fosse que Jesus andasse... Jesus faz questão de dizer que ele é um Mestre sem nada, sem prestígio, diferente dos outros que solenemente passeavam pelas praças e eram respeitados... As raposas têm tocas... mas ele nem mesmo uma pedra para reclinar a cabeça. A porta está aberta.
O homem cheio de vivacidade pode segui-lo, mas será preciso saber o que está fazendo...
A um outro Jesus dirige o convite: Segue-me. E este foi pego de surpresa. Manifestou uma necessidade urgente antes de andar atrás de Jesus. Ele precisava enterrar o pai.... Secamente Jesus exige generosidade imediata dele. “Deixe que os mortos enterrem seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”.
Um último personagem tinha vontade de segui-lo, mas queria primeiro despedir de seus pais. E Jesus: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não é está apto para o reino de Deus”. Ou seja, quando irrompe o convite para seguir Jesus tudo, absolutamente tudo, fica em segundo plano. Não seria este o sentido da vida religiosa consagrada na Igreja? São Francisco de Assis, na Regra bulada dos frades, diz que os que fazem profissão não podem olhar para trás... A vida está diante de seus olhos...
Assim, caminhando na direção de Jerusalém, Jesus vai formando os seus discípulos.

XIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

EVANGELHO - Lucas 9,51-62


Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém, e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho, e entraram num povoado de samaritanos, para conseguir alojamento para Jesus. Mas, os samaritanos não o receberam, porque Jesus dava a impressão de quem se dirigia para Jerusalém. Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: «Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para acabar com eles?» Jesus porém, voltou-se e os repreendeu. E partiram para outro povoado.
Enquanto iam andando, alguém no caminho disse a Jesus: «Eu te seguirei para onde quer que fores.» Mas Jesus lhe respondeu: «As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça.» Jesus disse a outro: «Siga-me.» Esse respondeu: «Deixa primeiro que eu vá sepultar meu pai.» Jesus respondeu: «Deixe que os mortos sepultem seus próprios mortos; mas você, vá anunciar o Reino de Deus.» Outro ainda lhe disse: «Eu te seguirei, Senhor, mas deixa primeiro que eu vá me despedir do pessoal de minha casa.» Mas Jesus lhe respondeu: «Quem põe a mão no arado e olha para trás, não serve para o Reino de Deus.»
PALAVRAS DA SALVAÇÃO - Glória a vós, Senhor