Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

14 de fev de 2010

Retiro de Carnaval: é muito bom!


RETIRO DE CARNAVAL
Renovação Carismática Católica
Local: Instituto Municipal João Cândido Filho
Dias 13, 14, 15 e 16
PARTICIPE!
VIVA UM CARNAVAL DIFERENTE!

A alegria do cristão no carnaval

O Carnaval está se tornando o tempo propício para tocar a Deus, para experimentá-Lo, para convencer-se de que Ele, Jesus, está vivo, para testemunhar que o Evangelho é de verdade.
Não afirmo isto por uma teoria, mas por experiência.
Tenho visto neste tempo Deus agindo de uma forma tão poderosa que brota de nosso interior uma alegria que supera toda aquela alegria que seria experimentada em bailes, desfiles, trios elétricos, blocos carnavalescos e etc.

Onde encontramos esta alegria?
No Brasil inteiro, graças a Deus, paróquias congregações, dioceses e comunidades estão realizando retiros de Carnaval e propiciando a todos aqueles que desejarem uma experiência nova, algo que nunca puderam ver antes.

E isto acontece de fato?
Sim, E como!
Vou contar apenas alguns acontecimentos que me marcaram muito.
Certa vez, em um ginásio de esportes, estávamos eu e alguns amigos num grande encontro de Carnaval. Ali rezávamos bastante e nos sentíamos bastante felizes. Como nunca Deus fez-se presente. Pessoas eram curadas, vidas eram transformadas. Pessoas de vida tortuosa passavam a desejar mudança e ajuda para tanto.
Dentre vários acontecimentos neste ginásio que mostraram como Deus estava operando ocorreu o seguinte: o ginásio era inteiramente fechado, de maneira que não havia como o ar circular em seu interior. No entanto, após a oração de um padre, passou a ser perceptível a todos os participantes do encontro uma brisa, brisa essa que gerou uma grande comoção em todos.
Em outro encontro de Carnaval, desta vez promovido pela Comunidade Shalom da missão de Santo Amaro, presenciei pessoalmente um milagre. Era um dia de sol muito quente, abafado e seco. O sol estava realmente nos castigando.
O céu estava completamente azul e sem qualquer nuvem.
Eu estava naquela ocasião servindo de acólito, junto a outros irmãos, esperando apenas o momento de adentrarmos à quadra em que estava sendo realizado o evento, juntamente com o padre, que segurava o ostensório com Jesus Sacramentado.
Antes que nos pedissem para entrar o padre se virou para nós e disse: “Está muito quente. Vamos dar uma benção no céu para que caia uma chuva”.
E assim fez: deu uma bênção com o Santíssimo Sacramento traçando uma cruz em direção ao céu. Que ousadia!
Depois de o Santíssimo Sacramento ter passado na quadra e o padre ter abençoado o povo fomos para a sacristia montada para o evento e lá ele sentando-se disse tranqüilamente: “Vai chover”.
E não passado muito tempo depois choveu! Choveu tanto que tivemos que mudar os equipamentos de som de lugar, porque começavam se molhar com a água que já estava invadindo a própria quadra.
E agora, o que fazer?

Faça como eu fiz. Vá ao Renascer (RETIRO) mais próximo de você e tenha um grande Carnaval de Graças!
Não perca esta oportunidade e que Deus o abençoe.

Aurélio Francisco Lopes
Consagrado da Comunidade de Aliança Shalom
da Missão de Santo Amaro, São Paulo-SP

FELIZES OS POBRES!

REFLEXÃO DA LITURGIA DOMINICAL


O Sermão da Planície do evangelho de Lucas (Lc 6) traz, de forma abreviada, a mesma mensagem que o Sermão da Montanha de Mateus (Mt 5-7). O evangelho nos apresenta Jesus anunciando com alegria a boa-nova aos pobres: "Felizes vós, os pobres, porque o Reino de Deus é vosso". Nada demais. Até o presidentedo FMI fica comovido quando os pobres são felizes. O problema é que Jesus fala o contrário para os ricos: "Ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação". Os ricos já receberam seu prêmio e agora perdem sua vez ... (cf. a 1ª leitura: "Infeliz de quem coloca sua confiança em outro homem e se apóia no ser mortal, enquanto seu coração se desvia de Deus").
O contraste entre ricos e pobres na boca de Jesus nos ajuda a entender melhor o que é esse Reino de Deus que ele vem anunciar. É o contrário do reino dos homens, o contrário daquilo que os ricos já têm. Eles possuem o que se apropriaram por caminhos humanos (nem sempre muito retos): riqueza, poder, prazer. Coisas passageiras, que, contudo, chegaram a ocupar todo o tempo e imaginação dos que pensam possuí-las, enquanto são por elas possuídos. Basta qualquer revés, um processo por sonegação, um comparsa que fale demais ... basta algo tão tremendamente comum como a morte, para que percam tudo o que tinha valor para eles. Infelizes ...
O que Jesus agora anuncia aos pobres é o contrário: vem de Deus, não dos homens. Porque os pobres ainda não se encheram com as suas próprias conquistas, tem valor para eles o "Reino de Deus", o dom de Deus, o "sistema de Deus". Que sistema? Aquilo que Jesus anuncia e pratica: fraternidade, comunhão da vida, dos bens materiais e espirituais, partilha de tudo. É aquilo que Jesus, no evangelho, ensina aos seus discípulos: superar o ódio pelo amor, aperfeiçoar a "Lei" pela solidariedade, repartir os bens, e até sofrer por causa de tudo isso. Pois também para os que sofrem e são perseguidos há uma bem-aventurança.
Mas a nossa sociedade vai pelo caminho contrário. A propaganda e o consumismo incutem nas pessoas a mania do rico, do eterno insatisfeito. Os pobres se tornam solidários com os ricos, aderem às suas novelas, modas e compras inúteis. Não é esta a boa notícia do evangelho, e sim, o "ai" proclamado por Jesus.
A diferença entre os pobres e os ricos não é que uns sejam melhores que os outros, mas que a esperança dos pobres, quando não corrompidos, vai para as coisas que vêm de Deus, enquanto os ricos facilmente acham que vão se realizar com aquilo que eles têm em seu poder. Que experimentem ... Ou então, que participem da esperança dos pobres e se tornem solidários com eles.
A esperança do reino supera a vida material. É a esperança que se baseia no Cristo ressuscitado (2ª leitura): "Se temos esperança em Cristo tão-somente para esta vida, somos os mais lamentáveis de todos!" Aquele que se tornou pobre para nós é que nos enriquece com a dádiva do amor infinito do Pai, que ele revela no dom da própria vida. O reino que Jesus anuncia aos pobres, decerto, começa com a justiça e a fraternidade, mas tem um horizonte que nosso olhar terreno nunca alcança!

Do livro "Liturgia Dominical", de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

VI DOMINGO DO TEMPO COMUM




EVANGELHO: Lucas 6,17.20-26


Naquele tempo, Jesus desceu da montanha com os discípulos e parou num lugar plano. Ali estavam muitos de seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. E, levantando os olhos para os seus discípulos, disse: “Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus! Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis saciados! Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque havereis de rir! Bem-aventurados sereis, quando os homens vos odiarem, vos expulsarem, vos insultarem e amaldiçoarem o vosso nome, por causa do Filho do Homem! Alegrai-vos, nesse dia, e exultai, pois será grande a vossa recompensa no céu; porque era assim que os antepassados deles tratavam os profetas. Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação! Ai de vós, que agora tendes fartura, porque passareis fome! Ai de vós, que agora rides, porque tereis luto e lágrimas! Ai de vós, quando todos vos elogiam! Era assim que os antepassados deles tratavam os falsos profetas”.