Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

22 de abr de 2010

1º CERCO DE JERICÓ


Hoje, às 19 horas, estaremos iniciando o 1º Cerco de Jericó da Paróquia de São José, com a Missa de Cura e Libertação. Entre os dias 22 e 29 de abril todos os caminhos nos levarão à Matriz de São José, em Carnaúba dos Dantas, onde estaremos adorando Jesus no Santíssimo Sacramento e intercedendo pelas grandes necessidades do mundo, da Igreja e dos fiéis que deixarão seus pedidos na Arca da Aliança.
Acreditamos que o céu reservou bênçãos especiais para você neste ano de 2010. Tome uma decisão que pode mudar a sua vida e participe do 1º Cerco de Jericó. Convide seus familiares e amigos, organize-se e venha conosco “clamar pois o Senhor vos entregou esta cidade”.
As notícias do Cerco de Jericó você pode acompanhar aqui pelo blog ou pelos demais meios de comunicação da paróquia São José de Carnaúba dos Dantas.
Desde já colocamos sua vida e suas preces em nossos corações. Deus abençoe! E que as muralhas caiam, em nome do Senhor Jesus!

“Pela fé caíram os muros de Jericó,
depois de rodeados por sete dias.”
Hebreus 11, 30.

O PÃO QUE SATISFAZ

REFLEXÃO DO EVANGELHO

Continuamos envolvidos no clima do longo e profundo discurso sobre o Pão da Vida do Quarto Evangelho. Jesus, com efeito, muitas vezes, ao longo do texto, se autodefine como pão para a vida e pão da vida.
No passado, o Povo de Israel havia empreendido, por iniciativa do Senhor, uma caminhada pelo deserto na busca de uma Terra abençoada, onde deveriam correr leite e mel. Numa noite inesquecível, juntando suas coisas e seus rebanhos, seus sonhos e sua gente, os israelitas empreenderam a fuga do Egito sob a mão forte de Deus. A travessia do deserto fora longa e cheia de percalços. Deus parecia lento em manifestar-se, demorado em mostrar o fim do caminho. O cansaço se instalou nos membros e nas dobras do coração daqueles viandantes e peregrinos. Houve ardência de sede na garganta e faltava-lhes alimento para robustecer o corpo. Moisés foi interpelado pelo povo e ele, por sua vez, interpelou o Senhor. E veio, então, o maná dos céus. Deus cuidava de sua gente e não lhes faltou o necessário para sobreviver. Ele lhes deu o maná que caía todas as manhãs.
“Os vossos pais comeram o maná no deserto, e no entanto, morreram”. Aquele alimento depois chegou a causar náusea no povo. “Eis aqui o pão que desce dos céu; quem dele comer nunca morrerá”.
Jesus é pão, alimento para a vida dos homens. Ele vem do seio do Pai, fortalece o interior, atinge o nó interior das pessoas, dá vida erguendo os pecadores em processo de morte, dá vida para que o interior das pessoas não seja marcado pela mesmice raquítica de decisões narcisistas. Ele é pão com a Palavra que pronuncia, com os gestos que coloca, com a esperança que suscita.
“Jesus apresenta-se como tendo sido enviado pelo Pai a comunicar aos homens a vida divina – uma vida eterna à qual será associado o próprio corpo pela ressurreição final. A vontade do Pai é o homem vivo, a pessoa humana, a viver em corpo e em espírito a vida divina. Tal vontade é aqui afirmada com clareza. A missão de Jesus consiste em cumprir essa vontade” (E. Leclerc, Vida em plenitude, pro manuscripto,p. 34)
De tanto percorrer as páginas do Novo Testamento, de tanto conviver com a presença do Ressuscitado em sua comunidade e nos gestos da salvação, o fiel vai se fortalecendo.
O Senhor Ressuscitado é o alimento da fé do povo de Deus em marcha para seu destino final.

EVANGELHO DO DIA - João 6,44-51

Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o atrai, e eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos Profetas: ‘Todos os homens serão instruídos por Deus’. Todo aquele que escuta o Pai e recebe sua instrução vem a mim. Não que alguém já tenha visto o Pai. O único que viu o Pai é aquele que vem de Deus.
Eu garanto a vocês: quem acredita possui a vida eterna. Eu sou o pão da vida. Os pais de vocês comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desceu do céu: quem dele comer nunca morrerá.»
E Jesus continuou: «Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem come deste pão viverá para sempre. E o pão que eu vou dar é a minha própria carne, para que o mundo tenha a vida.»