Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

16 de fev de 2010

O único Jesus que eu conheci

«Pregue o Evangelho sempre, se(quando) necessário, use palavras.»
Francisco de Assis

Há alguns anos um prisioneiro branco morreu de ataque cardíaco em Montgomery, no Alabama. Na prisão tivera uma profunda experiência de conversão e construído um relacionamento autêntico com Jesus. O presidiário da cela ao lado, um negro enorme, era cínico. Todas as noites o prisioneiro branco falava por entre as barras da prisão e falava ao seu companheiro sobre o amor de Jesus. O negro troçava dele; dizia que ele estava doente da cabeça, que a religião era o último refúgio dos insanos. Apesar disso, o prisoneiro branco passava-lhe passagens das Escrituras e repartia com ele os doces que recebia de algum parente. Durante o funeral do homem branco, quando o padre falou a respeito da vitória de Jesus na Páscoa, o robusto prisioneiro negro ergueu-se a meio do sermão, apontou para o caixão e disse: "Esse é o único Jesus que eu conheci".

"A assinatura de Jesus", Brennan Manning

Irmãos, sejamos como aquele prisioneiro, sejamos Jesus na vida daqueles que não O conhecem, na vida daqueles que não sabem da Sua existência no meio de nós, nos conduzindo, nos guiando... A esses, levemos a Palavra de Deus, repartamos o pouco que temos, o pouco que sabemos, falemos sobre o amor de Deus por nós. Então, seremos o Jesus para aqueles que não sabem que Ele venceu na Páscoa!

Promover uma economia a serviço da vida é objetivo da CF que começa amanhã

A Campanha da Fraternidade que as Igrejas do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) lançam amanhã, 17, tem como objetivo geral ajudar a sociedade a construir uma economia que esteja a serviço da vida. Além do objetivo geral, outros cinco objetivos específicos fazem parte da Campanha.
Pela terceira vez a Campanha é realizada de forma ecumênica, a exemplo do que aconteceu em 2000 e 2005. O ato de abertura, em nível nacional, será em Brasília e consta de uma coletiva de imprensa, às 14h, na igreja Luterana (Quadra 406/Sul), e de uma celebração ecumênica, às 19:30h, no Santuário Dom Bosco.
Confira, abaixo, os objetivos da Campanha da Fraternidade Ecumênica-2010.
Objetivo geral: Colaborar na promoção de uma economia a serviço da vida, fundamentada no ideal da cultura da paz, a partir do esforço conjunto das Igrejas Cristãs e de pessoas de boa vontade, para que todos contribuam na construção do bem comum em vista de uma sociedade sem exclusão.
Objetivos específicos:
1. Sensibilizar a sociedade sobre a importância de valorizar todas as pessoas que a constituem;
2. Buscar a superação do consumismo, que faz com que ‘ter’ seja mais importante do que as pessoas;
3. Criar laços entre as pessoas de convivência mais próxima em vista do conhecimento mútuo e da superação tanto do individualismo como das dificuldades pessoais;
4. Mostrar a relação entre fé e vida, a partir da prática da justiça como dimensão constitutiva do anúncio do evangelho;
5. Reconhecer as responsabilidades individuais diante dos problemas decorrentes da vida econômica, em vista da própria conversão.

POR QUE DISCUTIS SOBRE A FALTA DE PÃO?

REFLEXÃO DO EVANGELHO

Lemos hoje na liturgia versículos de Marcos. Os apóstolos na barca dispõem apenas de um pão. Jesus pede que eles prestem atenção ao fermento dos fariseus. Os discípulos não entendem nada. Pensam que a fala de Jesus tenha a ver com o fato de terem apenas um pão. Jesus dá a entender que ele não compreendem nada, que ficam discutindo sobre coisas já resolvidas, coisas, diga-se de passagem, materiais demais e sem importância.
Nesta altura de nossas reflexões, às vésperas do começo da quaresma, poderíamos nos perguntar a respeito de quais seriam as questões e questionamentos importantes que poderíamos fazer uns aos outros no campo da pastoral e da evangelização, ou também da vida espiritual. Por vezes nos preocupamos demais porque não há número suficiente para a realização de um encontro de jovens ou de casais. Quais as verdadeiras questões e os mais profundos questionamentos?
Os que são de Cristo são chamados a ser santos. A Igreja precisa questionar a respeito da santidade de seus fieis. É Deus que santifica. Sabemos. Ele só é santo. Mas para que a Igreja, cada vez mais seja uma parábola do Reino, uma preparação, uma primeira visibilização do Reino será preciso que as pessoas busquem efetivamente a santidade.
- Os casados sejam santos, que haja uma verdadeira Igreja doméstica em seu lar, que o sacramento do matrimônio não seja apenas uma formalidade, que em casa as pessoas aprendendam a carregar o peso uns dos outros;
- Será preciso que nossas celebrações eucarísticas se revistam de uma simplicidade transparente, que os participantes estejam numa busca sincera do Deus verdadeiro, que realizem com o coração o ato penitencial, que o grande protagonista da celebração seja o Cristo ressuscitado;
- Questão importante será a de saber como anunciar aos jovens Cristo Jesus para que sua escolha profissional, sua opção pelo casamento ou vida religiosa e sacerdotal seja feita à luz de motivações que brotem do Evangelho
- Questão fundamental é a de buscar o modo como todos os cristão possam compreender a importância do binômio morte e vida em suas trajetórias. Não se chega à santidade sem uma imersão cada vez mais consciente no mistério da páscoa de Jesus , mistério pascal que passa a ser o mistério de nossa vida.

EVANGELHO DO DIA - Marcos 8,14-21

Os discípulos tinham se esquecido de levar pães. Tinham consigo na barca só um pão. Então Jesus os advertiu: «Prestem atenção e tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes.» Os discípulos diziam entre si: «É porque não temos pão.» Mas Jesus percebeu e perguntou: «Por que vocês discutem sobre a falta de pães? Vocês ainda não entendem e nem compreendem? Estão com o coração endurecido? Vocês têm olhos e não vêem, têm ouvidos e não ouvem? Não se lembram de quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas? Quantos cestos vocês recolheram cheios de pedaços?» Eles responderam: «Doze.» Jesus perguntou: «E quando reparti sete pães para quatro mil pessoas, quantos cestos vocês recolheram cheios de pedaços?» Eles responderam: «Sete.» Jesus disse: «E vocês ainda não compreendem?»