Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

21 de nov de 2009

Apresentação de Nossa Senhora no templo

Neste dia 21 de novembro, a Igreja celebra a Apresentação de Nossa Senhora no Templo. Esta festa antiquíssima lembra que Nossa Senhora, então com 3 anos foi levada por seus pais São Joaquim e Santa Ana ao Templo, onde com outras meninas e piedosas mulheres foi instruida cuidadosamente a respeito da fé de seus pais e sobre seus deveres para com Deus.
A Igreja oriental distinguiu este fato com as honras de uma festa litúrgica.
A Igreja ocidental conhece a comemoração da Apresentação de Nossa Senhora desde o século VIII. Estabelecida primeiramente pelo Papa Gregório XI, em 1372, só para a corte papal, em Avignon, em 1585, Sixto V ordenou que fosse celebrada em toda a Igreja.
A vida de Maria Santíssima no templo foi a mais santa, a mais perfeita que se pode imaginar. O templo era a casa de Deus e na proximidade de Deus se sentia bem a bela alma em flor. Santo era o lugar onde Maria vivia. Era o templo onde os antepassados tinham feito orações, celebrado as festas; era o templo onde se achava o santuário do Antigo testamento, a arca, o trono de Deus no meio do povo; era o templo afinal, de que as profecias diziam que o Messias nele devia fazer entrada.
Assim foi santíssima a vida de Maria no templo. O Divino Espírito Santo lapidou o coração e o espírito da esposa, mais do que qualquer outra criatura. Maria poderia aplicar a si as palavras contidas no Eclesiástico: “Quando ainda era pequena, procurei a sabedoria na oração. Na entrada do templo instava por ela... Ela floresceu como uma nova temporã. Meu coração nela se alegrou e desde a mocidade procurei seguir-lhe o rastro”.
A festa da apresentação de Nossa Senhora apresenta para a família cristã belos ensinamentos: um modelo de pais cristãos – Joaquim e Ana – que demonstraram seu amor a Deus, sacrificando sua filha, não em favor do mundo, mas em favor d’Ele. Como Joaquim e Ana, devemos estar prontos a entregar nossos filhos, a oferecê-los à vontade de Deus, que tudo sabe, que tudo compreende. Que sejamos capazes de discernir o que é melhor para nós, para a nossa família, tudo em favor desse Deus maravilhoso!

ONDE ESTÁ DEUS?

Acordei sem querer abrir os olhos e encarar que é preciso levantar…
As perguntas bateram em minha porta e escondi as respostas que deveria dar.
O sofrimento veio tão forte que a ausência de palavras tomou conta de mim e geraram um grito silencioso…
Senti-me sozinho pensando que Deus estava a me condenar…
Nesta hora com olhos fechados, respostas escondidas, gritos silenciosos e solidão aparente… Descobri: “Não sou empregado de Deus! Ele é meu Pai!"
Pai que me acorda cedo abre as janelas da minha vida é luz que entra e clareia minhas trevas. Pai que corre atrás de mim brincando de esconde-esconde perguntando com um rosto em riso: “Cadê as respostas do Papai?”
Pai que não precisa do meu falar, pois sente minha dor e transforma meu sofrimento em oração!
Pai que sempre me espera na varanda de casa, sentado na cadeira de balanço vendo-me voltar cansado da dureza da vida, machucado pelas escolhas que fiz e mesmo assim me pega no colo e diz: “Que bom que voltou eu já te esperava retornar!”
Diante das perguntas que faço Deus só responde: Eu Sou!

“Por mais que eu não veja,
Por mais que eu não saiba me entregar,
Tudo que eu vejo me faz acreditar
Que há um brilho dos seus olhos
Que faz a chuva terminar.”
(Como te vejo – Rosa de Saron)

A partir de minha descoberta te digo: A chuva vai passar, e o sol voltará a brilhar! Pois Ele (Deus) não é seu Carrasco… Ele é seu Pai!
Não tenha medo de voltar… Ele está a te esperar!

E aí está disposto a ser filho do Pai?



Adriano Gonçalves (blog.cancaonova.com/revolucaojesus/)

REFLEXÃO DO DIA - Sábado 22/11

Naquele tempo, enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. (Mt 12, 46-50)
Todos nós somos convidados a participar da família de Jesus. Ser membro desta família significa em primeiro lugar conhecer a vontade de Deus, ter uma fé fundamentada em conhecimentos sólidos, o que quer dizer conhecer bem a Sagrada Escritura e a doutrina da Igreja, pois somente assim poderemos conhecer melhor a vontade do Pai. Mas somente o conhecimento da vontade de Deus não é suficiente para fazermos parte da família de Jesus; é preciso por em prática aquilo que sabemos, pois Jesus não nos diz: “conhecer a vontade do meu Pai”, mas sim: “Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, este é meu irmão, minha irmã, minha mãe”.
Fonte: CNBB