Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

29 de mar de 2010

A MULHER UNGIU OS PÉS DE JESUS

Segunda-Feira da Semana Santa
REFLEXÃO DO EVANGELHO


Estamos bem às vésperas da paixão. Jesus se encontra em casa de Marta, Maria e Lázaro. Participa de uma refeição, uma refeição de adeus em casa de amigos. Não está apenas com seus amigos íntimos. Há outros convidados. Maria, segundo João, toma uma libra de perfume de nardo puro e lava os pés do Mestre, deitada no chão, enxugando-os com os cabelos. A casa inteira ficou impregnada do perfume e no coração dos amigos, havia um ar de despedida.

Judas, começa a demonstrar determinados movimentos interiores que vão levá-lo à negação de Jesus. Não queiramos julgá-lo. Trata-se de um misterioso personagem que circula no quadro da paixão do Senhor. Segundo João, ele se insurge com a perda do dinheiro com o perfume. “Por que não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata para dar aos pobres?” E João fornece alguns detalhes que mostram um Judas sem boas intenções: “Judas falou assim não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela”. João, impiedosamente desmascara a postura de Judas diante de seus leitores. Judas não tinha afeto por Jesus. Amava ou idolatrava o dinheiro.

E Jesus: “Judas, deixa que ela faça esse gesto... Ele está fazendo isso em vista de minha sepultura. Estou na iminência de terminar a caminhada. Quando vejo Lázaro aí, esse que esteve na morte, penso em minha morte. Foi duro, Judas, muito duro quando estive diante de sua sepultura e senti o perfume da morte. Estou para terminar a caminhada. Fui amigo da família da mulher que quebrou o frasco em meus pés. Ela, de alguma forma, prefigura minha morte e antecipa a dor de seu coração. Também a vocês, meus apóstolos, me dediquei de coração. Tenho medo que na hora decisiva cada um vá para seu lado. Judas, essa mulher está sentindo ou escutando as batidas do meu coração”.

Certamente Jesus não condenava a esmola e ajuda a ser dada aos pobres. Mas cada coisa em seu lugar. Que ninguém esqueça de partilhar com os pobres. Mas há um outro gastar ou gastar-se por Deus que é importante. Há pessoas que consagram inteiramente a Deus, aos irmãos, à família. Inventam mimos, carinhos, gestos de delicadeza que, teoricamente poderiam ser dispensados. Mas, como esses gestos, presentes, dons, afetos são significativos! Para que existe o dinheiro??? Judas estava ficando com o coração seco. Há os que gastam o que tem de melhor pelo Senhor. Adotam postura diferente daquela de Judas.

E no fim de tudo, os sumos sacerdotes resolveram também matar a Lázaro, porque, por causa dele muitos deixavam os judeus e acreditavam em Jesus.

Entramos na semana da paixão...

Fonte: www.franciscanos.org.br

EVANGELHO DO DIA - João 12,1-11

Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi para Betânia, onde morava Lázaro, que ele havia ressuscitado dos mortos. Aí ofereceram um jantar para Jesus. Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com Jesus. Então Maria levou quase meio litro de perfume de nardo puro e muito caro. Ungiu com ele os pés de Jesus e os enxugou com seus cabelos. A casa inteira se encheu com o perfume. Judas Iscariotes, um dos discípulos, aquele que ia trair Jesus, disse: «Por que esse perfume não foi vendido por trezentas moedas de prata, para dar aos pobres?» Judas disse isso não porque se preocupava com os pobres, mas porque era um ladrão. Ele tomava conta da bolsa comum e roubava do que era depositado nela. Jesus, porém, disse: «Deixe-a. Ela guardou esse perfume para me ungir no dia do meu sepultamento. No meio de vocês sempre haverá pobres; enquanto eu não estarei sempre com vocês.»
Muitos judeus ficavam sabendo que Jesus estava aí em Betânia. Então foram aí não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Jesus havia ressuscitado dos mortos. Então os chefes dos sacerdotes decidiram matar também Lázaro, porque, por causa dele, muitos judeus deixavam seus chefes e acreditavam em Jesus.