Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

5 de abr de 2010

Mensagem de Agradecimento (Santa Vitória)

"Um dia, ao subir o Monte do Galo em Carnaúba dos Dantas - RN, parei em frente a um quartinho que há lá em cima e fiquei observando os objetos ali, organizados. Havia dezenas de pernas feitas de madeira, cabeças, além de fotos velhas e não tão velhas. Havia cabelos, braços, mãos, roupas; réplicas de carros, casas e móveis. Tantos objetos deixados ali por romeiros vindos de toda a Paraíba e, também, de todo o Brasil. Não conseguia entender tamanha devoção em Santa Vitória (para os carnaubenses, Nossa Senhora das Vitórias).
De repente, uma folha de papel voou e parou junto aos meus pés. Peguei aquele papel já meio amarelado e fiquei com ele nas mãos. No início pensei em jogá-lo fora, mas a curiosidade foi maior e quão maior, foi minha surpresa ao ler as palavras escritas naquele papel.
No ínicio, tinha escrito como título: "DEUS ME QUER BEM E SANTA VITÓRIA TAMBÉM"

Descobri que Deus me quer bem. Sabe por quê?
Uma vez, estava eu sozinho em casa e pensava seriamente em desistir de tudo. A minha vida não tinha mais sentido. O chão parecia querer engolir-me e eu, já não tinha mais forças para lutar contra ele.
Perdi tudo! Perdi todos os bens que havera conquistado, e, entre eles, o meu bem maior: a minha família. Me tornei dependente dos meus erros, dos meus pecados, dos jogos e do vício. Já não conseguia mais andar de cabeça erguida. Parecia-me que o mundo apontava para mim e dizia: Você não merece ser feliz. Não conseguia mais sair de casa sem me culpar por todos os males da humanidade.
Um dia, um amigo - daqueles que não mede esforços para lhe puxar do abismo - me convidou para visitar o santuário de Santa Vitória em Carnaúba dos Dantas - RN. Ele disse que já o visitara várias vezes e que alcançara várias graças. Não acreditei, mas disse que pensaria no caso. Na mesma noite ao pegar no sono, ouvi uma voz grave a me dizer que eu precisava ir ao Santuário do Monte do Galo naquela cidadezinha do interior do Rio Grande do Norte. E no sonho, a minha família parecia querer dizer-me algo. Todos: a minha esposa e os meus três filhos vestiam vestes azuis, rosa e marrom e estavam ajoelhados em frente a imagem de uma santa. Levantei no outro dia cedinho e só conseguia pensar no sonho que eu tivera. Liguei para o meu amigo e disse que ele poderia contar comigo. Eu precisava conhecer esse Santuário.
Saímos na quarta-feira de cinzas de João Pessoa às duas horas da madrugada. Fomos direto para o Santuário. Sempre fui um homem católico, apesar de tão pecador. Subi aquela serra rezando o terço e, tentando imaginar o que o sonho queria dizer-me. A cada estação que eu parava para orar, parecia que o meu coração iria explodir. Eu chorava e pedia perdão pedindo que aquela Santa tão invocada pelos romeiros, me desse a graça de ter de volta novamente a minha vida: minha família e o respeito das pessoas. Que me tirasse daquele abismo profundo do qual eu tinha medo de não conseguir mais sair. Meu amigo batia em meu ombro e dizia: Confia na graça divina meu amigo! Foi Deus quem te mandou ao encontro de Santa Vitória. E eu chorava ainda mais. Não importava que as pessoas me olhassem com ar surpeso. Afinal, um homem da minha idade chorando que nem bebê! Continuei subindo a serra, rezando e chorando. Ao chegarmos em frente a capelinha o meu amigo parou repentinamente e puxou-me pelo braço. Eu queria subir até cruzeiro. Ele insistiu e puxou-me novamente pedindo-me para adentrar-mos na capela. Fiz o que ele pediu-me. Ao entrar na capelinha no alto do Monte do Galo parecia que eu estava a sonhar acordado. Ali, de joelhos em frente ao altar,estavam quatro pessoas vestidas com vestes azuis, rosa e marrom. Oravam alto pedindo compaixão pelo homem que tanto amavam e queriam de volta curado. Esse homem era eu. Hoje, venho agradecer a Santa Vitória pela graça recebida aqui, no Monte do Galo.
Sabe, descobri que "Deus me quer bem", pois com sua voz, Ele me fez conhecer, adorar e ser agraciado por Santa Vitória. Amém.

Ali mesmo onde eu estava, em frente a tal capelinha, com um papel nas mãos, ajoelhei-me e comecei a chorar. Chorei como nunca havia nfeito e rezei para que aquela família fosse para sempre abençoada, pois naquele papel, estava escrito a vida e o perdão do meu pai. Guardei o papel no bolso e desde esse dia, toda quarta-feira santa, volto a Carnaúba dos Dantas no Rio Grande do Norte para agradecer-lhe por tudo o que hoje, eu sou."

Fonte: http://amigosdesantavitoria.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário