Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

2 de jan de 2010

REFLEXÃO DO DIA - Sábado 02/01

O testemunho de João foi assim. As autoridades dos judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntarem a João: «Quem é você?» João confessou e não negou. Ele confessou: «Eu não sou o Messias.» Eles perguntaram: «Então, quem é você? Elias?» João disse: «Não sou.» Eles perguntaram: «Você é o Profeta?» Ele respondeu: «Não.» Então perguntaram: «Quem é você? Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram. Quem você diz que é?» João declarou: «Eu sou uma voz gritando no deserto: ‘Aplainem o caminho do Senhor’, como disse o profeta Isaías.» Os que tinham sido enviados eram da parte dos fariseus. E eles continuaram perguntando: «Então, por que é que você batiza, se não é o Messias, nem Elias, nem o Profeta?» João respondeu: «Eu batizo com água, mas no meio de vocês existe alguém que vocês não conhecem, e que vem depois de mim. Eu não mereço nem sequer desamarrar a correia das sandálias dele.» Isso aconteceu em Betânia, na outra margem do Jordão, onde João estava batizando. (Jo 1,19-28)
Nos primeiros dias do ano novo, e depois do natal, temos diante de nossos olhos a figura de João Batista que nos acompanhou no tempo das preparações que é o advento. Embaixadas chegam para investigar a respeito da identidade desse filho da velhice de Isabel e de Zacarias. A pergunta é esta: “Quem és tu?”
“Eu não sou o Messias, não sou Elias, não sou o profeta que viria depois de Moisés. Posso ter algumas semelhanças, mas o Messias está por aí. Procurei me afastar do burburinho das coisas e viver no deserto. Empenhei em encher-me de toda força e energia para empreender um trabalho de precursor, de anunciador. Procuro desdobrar uma passarela do deserto à cidade e, correndo, anuncio aquele que vem. Eu não sou o Messias”.
Há qualquer coisa de diferente no ar. João procura preparar caminhos. Sua vida não é recolher louros pessoais, mas facilitar o caminhar daquele que vem. Prega uma purificação na água, um batismo de penitência. Não existe melhor preparação das pessoas para o encontro com Cristo senão aquela que começa no coração contrito, arrependido, desejoso de plenitude. A vinda do Messias é facilitada por esse clima de mudança de coração. O homem do deserto que era João vai se tornando o Batista das margens do Jordão.
Os cristãos, os verdadeiros discípulos do Mestre que fascina, têm a mesma missão de João: anunciar aquele que plenifica.
No trabalho profissional, nas atividades pastorais, no exemplo familiar estão sempre abrindo caminhos para que as pessoas tenham vontade de seguir o Messias.Por mais escondidas que possam ser certas vidas elas podem ser instrumentos de Cristo. A Igreja, a vida religiosa consagrada, os investidos do ministério sacerdotal, todo o povo cristão é chamado a clamar no deserto, a serem precursores de Cristo.
O relato do evangelista João sobre o Batista fala de um homem que tem consciência plena de sua verdade e não quer que as pessoas se fixem nele: “Eu batizo com água, mas no meio de vós está aquele que vós não conheceis e que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar as correias de suas sandálias”.
Num discurso de 1965 Paulo VI tentava responder à pergunta: “Quem é Jesus Cristo?” “Nós que temos este grande e dulcíssimo nome para repeti-lo para nós mesmos, nós que somos fiéis, que cremos em Cristo, sabemos quem ele é? Poderemos dizê-lo numa palavra direta e exata? Será que podemos chamá-lo verdadeiramente pelo seu nome, invocá-lo como luz da alma? Podemos dizer, de verdade: Tu és o Salvador? Temos plena consciência de que ele nos é necessário e que não podemos ficar sem ele? Ele é nosso tesouro, nossa alegria, felicidade promessa e esperança, caminho, verdade e vida...”

Nenhum comentário:

Postar um comentário