Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

30 de jan de 2010

Grupos abortistas tentam bloquear anúncio pró-vida que será exibido durante o “Super Bowl”, nos Estados Unidos.


Diversos grupos abortistas estão tentando bloquear um anúncio pró-vida que será exibido durante o “Super Bowl”, o evento esportivo mais importante do país e o mais sintonizado do mundo, no qual a máxima estrela do futebol americano universitário dos Estados Unidos, Tim Tebow, agradece a sua mãe por não ter praticado um aborto quando o esperava rechaçando assim a “recomendação” de seus médicos.
O anúncio, que será irradiado pela cadeia americana CBS, foi criado pela instituição Focus on the Familiy (Enfoque à Família) e busca recordar o inalienável direito à vida que tem toda pessoa.
Entretanto, para a abortista Jehmu Green, presidenta do Women’s Media Center, “esta campanha coloca um tema muito controvertido em um lugar no qual todos os americanos devem estar unidos, não divididos”.
Do mesmo modo, para a também ativista anti-vida, Erin Matson, vice-presidenta da Organização Nacional de Mulheres (NOW, por suas siglas em inglês) “este comercial é francamente ofensivo” e alega que “é ódio pintado de amor. Envia a mensagem de que o aborto sempre é um engano”.
A respeito, o próprio Tim Tebow comentou que quem rechaça este anúncio o qual defende a vida “devem ao menos respeitar que defendo o que acredito. Sempre estive convencido disto porque essa é a razão pela qual estou aqui. Minha mãe foi uma mulher muito valente”.
Para Gary Schneeberger que trabalha para o Enfoque à Família, o anúncio “celebra a vida e a família” e considera ademais que “não tem nada de político ou controvertido. É uma história pessoal de amor entre uma mãe e seu filho”.
Comprometido com a causa pró-vidaTebow é atualmente o quarto zagueiro (Quarte Back) dos Florida Gators, equipe ao que o ano passado Tim guiou ao seu segundo campeonato nacional da NCAA (a liga universitária) e já é uma estrela nacional. Tebow nunca ocultou sua profunda fé cristã.
Tebow também manifestou sua alegria pela publicidade dada à história de sua mãe que ajudou a outras mulheres a optarem por não abortar os seus filhos não nascidos. Com efeito, a mãe de Tebow servia como missionária junto ao pai do jogador de futebol nas Filipinas quando estava grávida de Tim, o quinto dos seus filhos.
Durante a gestação, a mãe contraiu uma infecção severa e os médicos propuseram que ela abortasse para salvar as duas vidas. A mulher se opôs e superou a infecção. Tim nasceu com perfeita saúde em 14 de agosto de 1987.
“Há muita gente que decidiu não submeter-se a um aborto, porque escutou a história da minha mamãe, ou que foram animados porque compartilho minha fé na televisão ou nas reportagens”, disse Tebow, quem está acostumado a luzir citas bíblicas no rosto durante os jogos.
Tebow cresceu ajudando os seus pais na missão cristã das Filipinas. Foi educado em casa por sua mãe, quem inculcou em todos seus filhos fortes valores cristãos. Foi além disso o primeiro atleta educado em casa em receber o Troféu Heisman, o máximo galardão para os jovens jogadores de futebol americanos.
Em meados do ano passado, Tim Tebow, de 22 anos, deixou estupefatos a dezenas de repórteres quando admitiu em uma roda de imprensa que decidiu preservar sua castidade e esperar ao matrimônio para ter relações sexuais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário