Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

19 de abr de 2010

A FÉ EM JESUS

REFLEXÃO DO EVANGELHO

Temos a vida toda para acolher em nós Cristo Jesus e professar nossa fé nesse que veio da parte do Pai. “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.
Um beneditino francês, mestre em espiritualidade, nos ajuda na reflexão de hoje: “Quem é Cristo? Aquele que veio fazer com que conhecêssemos a Deus. Deus, sem dúvida foi conhecido no passado e ainda é hoje sem Cristo. Todo homem tem um modo de conhecimento racional, precisamente porque este torna possível elevar-se partindo da criação até Deus. O que é invisível desde a criação do mundo se manifesta à inteligência através de suas obras, seu eterno poder e sua divindade.
Incontáveis homens e mulheres assim chegaram ao conhecimento, mais ou menos puro, de Deus. Muitas vezes exprimiram sua crença com grande senso religioso.
Este conhecimento natural foi sendo aperfeiçoado e purificado por homens de Deus autênticos que foram os profetas do Povo de Deus que falam em nome de Deus. As Escrituras conservaram suas palavras: eles deram aos fiéis um verdadeiro “conhecimento” de Deus que foi se convertendo em amor. Conheceu e amou de verdade aquele que fez esta prece: “Em ti me confio, Senhor. E digo: “Tu és meu Deus, em tuas mãos meu destino”.
No fundo dos humanos corações que iam descobrindo a Deus, uma angústia: durezas e quedas do homem submetem a confiança e o amor dos fiéis a duras provas. Como não duvidar por vezes da bondade- da justiça- desse Onipotente que deixa os homens tão cruelmente serem presas do mal.
Como acreditar que se possa ser amado por ele, quando se é tão miserável?
“Das profundezas, clamo a ti. Senhor. Se levares em conta as nossas faltas quem poderá subsistir?”
Quantas vezes semelhantes lamentos sairão da boca dos homens. Alguns chegarão a dizer como Jó: “Morra o dia que me viu nascer”. Mesmo vivendo esse “abandono” não podem esses homens “cortar-se” de Deus. Gemendo, esperaram alguma coisa, ou antes, alguém que os libertaria de tão cruel dilema.
O Salvador veio. Damos-lhe o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. É ele quem nos dá a chave do enigma. Deu-a aos que nele crêem, aos que crêem que esse Jesus que percorreu a Galiléia e a Judéia no tempo de Herodes e de Pilatos, era o Filho de Deus feito homem para “dirigir os nossos passos no caminho da paz”.
Os que assim o reconheceram, passaram a segui-lo. Sim, puderam segui-lo porque ele era homem e percorria a terra com passos de homem. Eles o viram penetrar em nossa humanidade de pecado como a relha do arado na terra revirando-a e o seguiram com o perigo de serem esmagados como ele. Mas acreditavam que ele era Deus. Em vez de morrer, no seu seguimento, adquiriram o verdadeiro conhecimento de Deus, aquele que liberta.
É seguindo-o que resolvemos o enigma de nossa vida, enigma de nossa aspiração à vida no seio de uma humanidade às voltas com a morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário