Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

23 de mar de 2010

“PARA ONDE EU VOU, VÓS NÃO PODEIS IR!”

REFLEXÃO DO EVANGELHO

Estamos vivendo os dias da última semana antes da Semana das Semanas, semana em que comemoramos a exaltação de Jesus no alto da cruz e na glória do Pai. Domingo próximo é a festa dos ramos. Aos poucos cresce a dramaticidade do texto de João. Jesus sabe que as circunstâncias levam-no ao desfecho de sua caminhada e ao cumprimento de sua missão. João faz com que Jesus dê aos seus interlocutores a certeza de que ele sente a presença do Pai a seu lado... precisamente neste momento que parece de abaixamento, mas é de elevação.

Há um pequeno lamento. “Eu parto e vós me procurareis, mas morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou, não podeis ir”. Na realidade, só poderão estar lá os que fizeram o êxodo com Jesus. Os que podem conviver com o Pai nesse mistério de intimidade não são os que pensam segundo as categorias humanas e os pensamentos de baixo. Jesus é do alto. Os que querem sua morte são de baixo: homens carnais e espirituais, os que se comprazem nas coisas imediatas e os que colocam os olhos nas realidades verdadeiras.

No meio do texto, uma pergunta: “Quem és tu, então?”. O evangelista se apressa em dizer que Jesus é daquele que o enviara. Imaginam-no um livre atirador e nunca puderam compreender que ele era porta-voz do Pai, presença do Pai, que aquele que o enviara estava sempre com ele.


No alto da colina haveriam de erguer a Jesus e prender à cruz o corpo daquele que o Pai enviara, daquele que era um com o Pai. A graça da morte de Deus em Cristo, Jesus permite que alguns possam perceber a verdadeira identidade de Jesus. O Filho atento sempre a fazer o que agrada ao Pai está ali e por detrás dessa total inanição está aquele que é. “Quando levantardes o Filho do Homem, sabereis quem EU SOU! Ali, naquela entrega ao Pai que o acompanhava, começava a ressurreição. Realmente, Cristo, elevado da terra ao céu, morria e nascia, fazia sua páscoa e para sempre olharíamos para a cruz gloriosa elevada acima de todos.

Jesus vai para o madeiro e para a glória. Vai cumprir a vontade plena do Pai: “A salvação sempre veio do madeiro. Com efeito, no tempo de Noé, a vida foi conservada pela arca de madeira. No tempo de Moisés, ao ver o seu bastão, o mar intimidou-se diante daquele que o golpeava. Teve, então, tanto poder o bastão de Moisés e será ineficaz a cruz do Salvador? O madeiro, no tempo de Moisés, abrandou a água. E do lado de Cristo a água correu sobre o madeiro. A água e o sangue constituíram o primeiro dos sinais de Moisés; o mesmo ocorreu no último sinal de Jesus. Primeiro, Moisés mudou o rio em sangue; Jesus, no fim, deixou correr de seu lado água e sangue” (São Cirilo de Jerusalém).

Nenhum comentário:

Postar um comentário