Os textos e fotografias produzidos pela equipe da PASCOM da Paróquia São José – C. dos Dantas podem ser livremente utilizados, mencionando-se o blog http://www.montedogalo2009.blogspot.com/ como fonte

23 de fev de 2010

O PAI DE TODOS

REFLEXÃO DO EVANGELHO

Um dos temas mais importantes da vida cristã é certamente o da oração. Nas poucas linhas do evangelho proclamado na liturgia de hoje há algumas indicações sobre o tema. O texto de hoje é extraído do sermão da montanha de Mateus.
O primeiro evangelista gosta de insistir no tema da oração feita no silêncio do quarto. Os discípulos de Jesus não podem fazer como os pagãos, ou seja, usar palavras demais. O Pai, o paizinho, conhece aquilo de que necessitam os seus filhos. O cerne da oração é a manifestação da dependência do Senhor. Isto agrada ao Pai: sentir que os seus confiam nele. Liturgias longas, longos textos, muitas palavras na oração certamente estão em contradição com o ensinamento de Jesus.
A oração do Pai nosso tem duas partes bem nítidas. Primeiro pedimos pelo seu nome, pelo reino e pela sua vontade. Na segunda parte são colocados os nossos interesses: o pão, o perdão das ofensas, o não cair em tentação e a libertação do mal.
Há um mundo novo em construção. Os discípulos de Jesus querem o nome do Pai seja exaltado em todos os cantos da terra, que as vozes das gargantas dos homens e das mulheres louvem o Altíssimo e Bom Senhor. Pedimos que se instaure uma nova ordem de coisas: os humildes sendo reis, os soberbos derrubados de seus tronos, os pacificadores sendo reis.
Jesus, o nosso Mestre, deu a vida pela instauração do Reino e os filhos do Pai do céu não cessam de pedir que o Reino se firme e que a vontade do Pai seja feita. Na segunda parte da Oração do Senhor pedimos por nossas necessidades: esse pão cotidiano que não pode ser estocado, porque o Pai que cuida dos lírios dos campos e dos pássaros dos céus, no-lo dá cotidianamente. Pensamos também nessa Eucaristia cotidiana que fortalece nossa vida. Cotidianamente, de manhã cedo, ao meio do dia, à noite, antes da comunhão esse pedido é cheio de significado: O pão nosso de cada dia nos dai hoje...
E sempre essa necessidade que o Pai perdoe as faltas que cotidianamente repetimos. Não temos condições de pedir o perdão de uma vez por todas. Será necessário fazê-lo todos os dias, todas as horas, incessantemente. E o Senhor Jesus vinculou o entendimento a esta nossa solicitação ao esforço que fazemos de colocar o manto do perdão sobre aqueles que nos ofendem. Que o Senhor nos livre de cair em tentações e nos livre do mal!
O Pai nosso não é apenas uma prece a ser repetida, mas uma programa de vida do cristão. Esta oração inspirará todas as preces e orações da Igreja.

Fonte: www.franciscanos.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário